Stefanía Ólafsdóttir

Uma artista interdisciplinar, trabalho em uma variedade de mídias, incluindo impressão, vídeo, instalação e performance. No centro da minha prática está o Suminagashi, a prática de impressão japonesa de papel marmorizado, que depende do movimento da água, colorida pela tinta, sendo transferida para o cartão. Tendo a água como ponto de partida, torno visível a sua dança invisível, sempre girando; espiralando. Dessa forma, o tema dos ciclos naturais entrou no meu mundo. Fluindo através do meu próprio corpo da terra, a menstruação começou a ocupar a minha atenção e agora está a crescer num movimento em direção a uma consideração mais ampla da biopolítica. Vejo um futuro em que teremos que repensar radicalmente a nossa relação com a natureza e o nosso lugar no seu teatro, agora que o palco está desmoronando na atual crise climática.

Então, coleto água de fontes locais e as novas impressões marmoeradas estão a subir pelas paredes e a se transformar  em murais. A água e eu criamos novas paisagens. Eu imprimo, corto e colo; Juntos, nós nos lembramos. Como colaboradora e tradutora, danço-me nos braços da água, entrando numa conversa que interroga a minha relação pessoal e física com a natureza. Agora caminhamos juntos, a água e eu, explorando o que é ser em capacidade de resposta um para com o outro, e o que é fazer na era do pós-humano. Eu atuo para as árvores e os pássaros. Estou interessada em quais são os limites do indivíduo e o que significa ser uma comunidade, uma comunidade de humanos e outros não humanos. Desejo existir em minha arte como desejo existir nesta terra, minhas pegadas breves e desaparecendo, lavadas pela água.

https://organicmatterforthemoon.art/

 

A ARTISTA STEFANÍA ÓLAFDÓTTIR FALA SOBRE O SEU TRABALHO E A SUA EXPERÊNCIA NA RAMA